12 perguntas sobre o aumento da mistura de biodiesel no Brasil

16/01/2018 - 17:00

Seguindo a tendência mundial de substituição dos combustíveis fósseis por renováveis, a partir de março, todo o diesel comercializado no Brasil será B10, isto é, contará com a mistura de 10% de biodiesel, um biocombustível produzido a partir de óleos vegetais, residuais e até restos de gorduras animais, como o sebo bovino.

A evolução da mistura que atualmente é de 8% deve elevar em 29% a produção de biodiesel em 2018, em relação a 2017, calcula a União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene (Ubrabio). O volume deve chegar a 5,4 bilhões de litros este ano, frente aos 4,2 bilhões de litros no ano passado.

Você sabe qual será o efeito do B10 na economia e na vida da população? Veja abaixo a lista com os impactos do aumento da mistura de biodiesel no Brasil:

1. Qual será a safra de soja (principal matéria-prima) em 2018 e quanto desse total será destinado para o biodiesel?

As estimativas para a safra 2018 são de cerca de 110 milhões de toneladas. A produção de biodiesel de soja, no ano, deve ser de 3,7 bilhões de litros, o que dá, aproximadamente, 17 milhões de toneladas de soja dedicadas ao biodiesel (cerca de 15% da soja produzida no Brasil).

2. Qual o potencial de geração de empregos com o aumento de produção?

Estima-se que serão gerados 47 mil empregos diretos e indiretos ao longo de toda a cadeia produtiva, inclusive com a retomada de empreendimentos que estão parados. Segundo estudo realizado pela FIPE, em comparação ao diesel fóssil, a capacidade do biodiesel de gerar empregos é cerca de 113% maior. Já em relação ao Produto Interno Bruto (PIB), o potencial é 30% maior.

3. Quanto pode ser economizado com importação de diesel fóssil?

A preços atuais, a produção e o consumo de 5,4 bilhões de litros de biodiesel em 2018 equivale a economia de cerca de US$ 2,8 bilhões na balança comercial brasileira, pois cada litro de biodiesel substitui um litro de diesel de petróleo.

4. A indústria está preparada para atender o B10?

Sim. Com o B10, a produção nacional de biodiesel deve alcançar 5,4 bilhões de litros por ano, ante a capacidade autorizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) para produção de 7,9 bilhões de litros por ano.

5. Qual o potencial de transferência de renda para a agricultura familiar?

Desde sua criação, um dos pilares do programa de biodiesel tem sido a inclusão social através do selo “Combustível Social”, concedido pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (vinculada à Casa Civil da Presidência da República) aos produtores de biodiesel que adquirem matéria-prima da agricultura familiar e asseguram assistência e capacitação técnica. O selo é o maior programa de transferência de renda para a agricultura familiar no Brasil. São 38 usinas que o detém. Em 2016, mais de 72 mil famílias de agricultores forneceram matérias-primas e receberam assistência técnica e insumos. O valor alcançou R$ 4,3 bilhões em 2016. Este número deve ser superior em 2017 (ainda não divulgado) e ainda maior em 2018, com o incremento para B10 auxiliando o desenvolvimento de regiões envolvidas na cadeia produtiva do biodiesel.

Cadeia Produtiva do Biodiesel

6. Como o aumento da mistura de biodiesel e da industrialização da soja pode contribuir com a segurança alimentar?

A ampliação do uso do biodiesel vai estimular o processamento interno de soja. Com as sucessivas safras recordes de soja, o Brasil possui capacidade de ampliar o percentual de processamento para produzir mais óleo e farelo para incrementar a produção de alimentos. O aumento do consumo de óleo para biodiesel viabiliza a expansão da produção de farelo para a cadeia proteica, que é a verdadeira demanda crescente da alimentação global; dinamiza a produção de proteínas estendendo a oferta às demais cadeias derivadas de proteínas animais: bovinos, aves, suínos, ovos, lácteos, peixes e derivados. Produzir mais biodiesel significa gerar mais segurança energética e também segurança alimentar.

7. Como o aumento da mistura de biodiesel pode induzir maior aproveitamento do potencial produtivo brasileiro?

O Brasil conta com uma inigualável possibilidade de matérias-primas para produção de energia renovável, que, com uma visão de longo prazo de investimentos para diversificação atrelada à preservação ambiental e redução de emissões de gases de efeito estufa, pode tornar a produção ainda mais sustentável. Dentre as possibilidades de matérias-primas para o biodiesel, além do óleo de soja, estão as gorduras animais, óleo de fritura usado, palmáceas nativas como a macaúba, e as microalgas. Essa diversificação tende a ganhar força com o RenovaBio que, ao considerar todo o ciclo de vida da produção, valoriza as matérias-primas com maior índice de descarbonização.

Distribuição das Usinas de biodiesel no Brasil8. Em termos logísticos, o aumento do uso de biodiesel gera algum impacto?

No longo prazo, prevê-se um impulso do consumo de biodiesel pelo crescimento do déficit brasileiro da produção de diesel fóssil, devido à ausência de planos para a construção de novas refinarias e descontinuidade de projetos de ampliação dessas unidades pela Petrobras.

Ampliar o uso do biodiesel significa contribuir com a interiorização e verticalização da produção. Além das externalidades sociais e ambientais, o aumento para B10 resultará em benefícios econômicos mais imediatos, já que a necessidade de importação de óleo diesel será menor, e o aumento no volume necessário de biodiesel para suprir a demanda nacional movimentará a economia nos setores de produção e transporte e contribuirá para racionalização da logística, já que as usinas de biodiesel estão espalhadas pelo interior do país em todas as regiões, enquanto as refinarias de petróleo estão situadas majoritariamente na faixa litorânea.

Além disso, com a perspectiva de crescimento da demanda de diesel, o país precisará importar mais combustível fóssil, utilizando uma infraestrutura portuária que está no limite. O biodiesel, combustível limpo e sustentável, será importante para mitigar essas limitações.

9. Quanto já foi reduzido em emissões de CO2 desde o início do uso de biodiesel no Brasil até agora?

Entre 2005 e 2017, 54 milhões de toneladas de CO2 foram evitadas, o equivalente ao plantio de 395 milhões de árvores, o suficiente para ocupar uma área como a Bélgica. Ao final de 2018, serão 63,2 milhões de toneladas de CO2 evitadas, ou 462 milhões de árvores novas.

10. Qual será a redução de emissões de CO2 com o B10?

Em 2018, o B10 vai evitar a emissão de 10,2 milhões de toneladas de CO2, o que equivale a plantar 74 milhões de árvores.

B10 pode reduzir em termos de custos com internações, afastamentos do trabalho e mortes decorrentes de problemas de saúde causados pela poluição11. Quanto o B10 pode reduzir em termos de custos com internações, afastamentos do trabalho e mortes decorrentes de problemas de saúde causados pela poluição?

Segndo estudo do Instituto Saúde e Sustentabilidade (2015), considerando o uso do B10 durante uma década, apenas nas regiões metropolitanas de São Paulo e Rio de Janeiro, seriam evitadas 4,5 mil mortes e 9,6 mil internações públicas decorrentes da poluição. Em termos de custos, seriam economizados cerca de R$ 745 milhões nessas regiões com custo de mortes e mais de R$ 22 milhões com internações, apenas na rede pública.

12. Com o B10, como o Brasil se posiciona no hanking mundial de produção e consumo de biodiesel?

Com o B10, o Brasil se consolida como o 2º maior produtor e consumidor de biodiesel ficando atrás apenas dos EUA.

Por Ubrabio

União Brasileira do Biodiesel e Bioquerosene - Ubrabio - Todos os direitos reservados

SCN Quadra 01 Bloco C - nº 85 - Sala 304, Edifício Brasília Trade Center - Brasília/DF

CEP.70711-902 - Telefone (61) 2104-4411 - E-mail: faleconosco@ubrabio.com.br

  • Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis
  • Embrapa
  • Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
  • Ministério de Minas e Energia
  • Casa Civil
Redes sociais
  • Facebook
  • Flickr
  • Linkedin
  • Twitter
  • YouTube
Moringa Digital Clique e conheça